Resolução da ABPI repudia embalagem genérica

Resolução da ABPI repudia embalagem genérica

Resolução da ABPI repudia embalagem genérica

Comentários fechados em Resolução da ABPI repudia embalagem genérica
 

Resolução da ABPI repudia embalagem genérica.


Rodrigo Ouro preto encabeçou grupo de trabalho da ABPI que elaborou Resolução sobre plain packaging

O Comitê Executivo e o Conselho Diretor da ABPI, reunidos no último dia 29 de maio, aprovaram a Resolução da ABPI n° 84/2014, documento que “expressa seu veemente repúdio”, por violarem direitos de Propriedade Intelectual, a adoção, no Brasil, das embalagens genéricas também denominadas “plain packaging” no termo em inglês. O arrazoado – elaborado por Rodrigo Ouro Preto e revisado pelo Grupo de Trabalho composto pela presidente da ABPI, Elisabeth Kasznar Fekete, o diretor-relator, Cláudio Lins de Vasconcelos, o diretor-conselheiro, Benny Spiewak e pelos co-coordenadores da Comissão de Marcas, Patrícia Lusoli e José Mauro Decoussau Machado – recomenda ainda que o governo brasileiro posicione-se da mesma forma nos fóruns internacionais, especialmente na instância de Solução de Controvérsias da Organização Mundial de Comércio (OMC) onde o tema vem sendo tratado.

O Brasil, ainda não se manifestou na OMC. Alguns países contemplam a possibilidade de aprovação de leis que instituem as embalagens genéricas em produtos de diferentes indústrias, tais como, as de tabaco, medicamento, alimentos e bebidas alcoólicas. A Austrália, em 01 de dezembro de 2011, adotou o Tobacco Plain Packaging Act, que inclui produtos derivados do tabaco. 

O plain packaging australiano gerou queixas no órgão de Soluções de Controvérsias da OMC apresentadas por Cuba, República Dominicana, Ucrânia, Honduras e Indonésia. Estes países argumentam que a legislação australiana viola acordos da OMC como o GATT (Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio), TBT (Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio) e TRIPS (Acordo sobre Aspectos Relacionados ao Comércio e Direitos de Propriedade Intelectual), na medida em que é restritiva ao comércio, infringindo os direitos de marca. 

Internamente, tramitam no Congresso brasileiro algumas propostas para disciplinar as embalagens genéricas, como o Projeto de Lei do Senado n° 103/2014, de autoria do Senador Rodrigo Rollemberg, para alterar a Lei 9.279/1996 – Lei da Propriedade Industrial. Note-se que em junho de 2011, a ABPI já havia manifestado posição contrária à adoção de embalagens genéricas, por ocasião da Consulta Pública de 07 de abril de 2011, sobre o Projeto de Lei australiano denominado Tobacco Plain Packaging Bill 2011. 

Mercado ilegal

Em densa e detalhada exposição de argumentos, a Resolução da ABPI n° 84/2014, cuja íntegra está disponível no site da entidade (www.abpi.org.br), defende que a adoção das embalagens genéricas “impede o pleno exercício da capacidade distintiva das marcas, limitando direitos constitucionalmente tutelados e fazendo incorrer em clara violação a direitos de Propriedade Intelectual vigentes no Brasil, por meio das leis e tratados internacionais incorporados ao nosso ordenamento jurídico”. O documento enumera ainda que, tal prática, entre outros, inibe a livre concorrência, desestimula o investimento em inovação e na qualidade dos produtos, incentiva o mercado ilegal e não atinge um dos principais objetivos propostos, de reduzir o consumo de produtos eventualmente nocivos à saúde pública. 

A resolução ABPI nº 84/2014 adverte para o rápido avanço das iniciativas de adoção das embalagens genéricas na indústria do tabaco, sem a necessária avaliação de riscos jurídicos e seus impactos no mercado, na arrecadação tributária, no emprego, entre outros. No plano político, a adoção do plain packaging “pode gerar um clima de desconfiança em relação ao País, o que se torna crítico em um cenário de economia global, no qual as nações precisam transmitir segurança na árdua tarefa de atrair e reter investimentos em seus países”. 

A opção por embalagens genéricas parte da ideia de que a supressão de elementos gráficos e cores dos produtos, bem como a padronização na forma de apresentação de marcas nominativas, reduziria a demanda destes produtos e, consequentemente, o risco à saúde da população. No entanto, as pesquisas existentes mostram efeito inverso, “pois dificultam e tornam incerta a escolha do produto original desejado, retiram o incentivo aos investimentos em qualidade e inovação, e facilitam a comercialização de produtos contrafeitos, elaborados à margem da lei e, portanto, sem qualquer compromisso com padrões de segurança”. 

Segundo o documento da ABPI, assinado pela presidente da entidade, Elisabeth Kasznar Fekete, o diretor relator, Cláudio Lins de Vasconcelos, e o diretor tesoureiro Rodrigo Affonso de Ouro Preto Santos, ao retirar as marcas dos produtos as embalagens genéricas suprimem informações essenciais para o consumidor. “A ausência da marca registrada em embalagens transmite, ainda, a ideia de que os produtos são iguais, fato que reduz a capacidade de diferenciação entre eles e a identificação da sua origem – uma das funções primordiais das marcas”, diz o documento, ao acrescentar que, com isso, o fabricante não se sente estimulado a aprimorar e manter a qualidade dos seus produtos, “visto que é o reconhecimento da marca pelo consumidor que assegura ao fabricante o retorno de seu investimento”. 

No setor específico de tabaco, o documento ressalta que o mercado ilícito é um problema de escala global, já explorado pelo crime organizado. “Ao dificultar a própria fiscalização e percepção, pelo consumidor, acerca do produto lícito, a embalagem genérica incentiva o mercado ilícito, facilitando o acesso aos produtos por crianças e jovens”.


Texto: Rubeny Goulart

Publicado em 20/06/2014.

Fonte ( Texto e Imagem): ABPI

Related Posts

Back to Top